Wednesday, 31 October 2012


CLASSIFICAÇÃO MÉDIA DAS CIDADES CAPITAIS DE DISTRITO - Outubro de 2012

Esta é a lista mensal com os valores médios apurados na classificação das ruas das 18 capitais de Distrito de Portugal continental.

Até ao momento apenas a cidade de Lisboa está completamente classificada, no que se reflecte no valor médio mais baixo apurado. Todas as outras cidades estão incompletas, pelo que os próximos apuramentos poderão indicar alterações importantes.

1. Porto (12.05)
2. Beja (11.62)
3. Braga (11.36)
4. Viseu (11.35)
5. Setúbal (11.10)
6. Vila Real (10.96)
7. Guarda (10.90)
8. Coimbra (10.64)
9. Bragança (10.46)
10. Portalegre (10.42)
11. Aveiro (10.42)
12. Castelo Branco (10.40)
13. Viana do Castelo (10.34)
14. Évora (10.23)
15. Santarém (10.19)
16. Faro (10.17)
17. Leiria (10.17)
18. Lisboa (9.07)

Até ao momento, as 10 ruas melhor classificadas foram as seguintes :

1. Alameda Eça de Queiroz (Porto) - 15.08
2. Campo Pequeno (Lisboa) - 14.83
3. Avenida Fernão de Magalhães (Porto) - 14.75
4. Avenida Alexandre Herculano (Setúbal) - 14.75
5. Avenida Luisa Todi (Setúbal) - 14.75
6. Campo Grande (Lisboa) - 14.67
7. Avenida Rodrigues de Freitas (Porto) - 14.58
8. Avenida António Augusto de Aguiar (Lisboa) - 14.42
9. Avenida 22 de Dezembro (Setúbal) - 14.33
10. Avenida Luis de Camões (Viana do Castelo) - 14.25

Monday, 29 October 2012

STREETICS PRESENTE NO CONGRESSO DA HABITAÇÃO SOCIAL


O STREETICS vai estar presente no próximo dia 9 de Novembro no 3º Congresso de Habitação Social, a decorrer em Lisboa.

Fomos convidados para moderar um painel relacionado com as plataformas tecnológicas de gestão para o sector imobiliário, pelo que vai estar presente para o efeito o nosso CTO, Mauro Nunes.

É um reconhecimento no nosso trabalho e da crescente importância dos temas relacionados com a qualidade de vida nas cidades.


Wednesday, 24 October 2012

BE CAREFUL ABOUT RADON

"Radon is a colorless, odorless, radioactive gas. It forms naturally from the decay of radioactive elements, such as uranium, which are found at different levels in soil and rock throughout the world. Radon gas in the soil and rock can move into the air and into ground water and surface water.

Radon is present outdoors and indoors. It is normally found at very low levels in outdoor air and in drinking water from rivers and lakes. It can be found at higher levels in the air in houses and other buildings, as well as in water from underground sources, such as well water.


For both adults and children, most exposure to radon comes from being indoors in homes, commercial buildings, schools, and other places. The levels of radon in homes and other buildings depend on the characteristics of the rock and soil in the area. As a result, radon levels vary greatly in different parts of the United States, even within neighborhoods. Elevated radon levels have been found in every state.
The radon gas given off by soil or rock can enter buildings through cracks in floors or walls; construction joints; or gaps in foundations around pipes, wires, or pumps. Radon levels are usually highest in the basement or crawl space. This level is closest to the soil or rock that is the source of the radon. Therefore, people who spend much of their time in basement rooms at home or at work have a greater risk for being exposed.
Small amounts of radon can also be released from the water supply into the air, especially if the water source is underground. As the radon moves from the water to air, it can be inhaled. Water that comes from deep, underground wells in rock may have higher levels of radon, whereas surface water (drawn from lakes or rivers) usually has very low radon levels. For the most part, water does not contribute much to overall exposure to radon.
Radon exposure can also occur from some building materials if they are made from radon-containing substances. Almost any building material made from natural substances, including concrete and wallboard, may give off some level of radon. In most cases these levels are very low, but in a few instances these materials may contribute significantly to radon exposure.
Some granite countertops may expose people to different levels of radon. Most health and radiation experts agree that while a small portion of granite countertops may give off increased levels of radon, most countertops give off extremely low levels. People concerned about radon from countertops and from other household sources can test these levels using home detection kits or by hiring a professional to do the testing


Long-term exposure to radon can lead to lung cancer. Radon in the air breaks down quickly, giving off tiny radioactive particles (radon progeny). When inhaled, these particles can lodge in the lining of the lungs, where they can damage the cells there. This may eventually lead to lung cancer.
Cigarette smoking is by far the most common cause of lung cancer in the United States, but radon is the second leading cause. Scientists estimate that about 20,000 lung cancer deaths per year are related to radon.
Exposure to the combination of radon gas and cigarette smoke creates a greater risk for lung cancer than either factor alone. Most radon-related lung cancers occur among smokers. However, radon is also thought to cause a significant number of lung cancer deaths among non-smokers in the United States each year.
Some studies have suggested that radon exposure may be linked to other types of cancer as well. But the evidence for such links has been inconsistent and not nearly as strong as it is for lung cancer. Because radon and its progeny are absorbed mainly by inhaling, and because the alpha particles they give off travel only a short distance, it is unlikely they would affect other tissues in the body.
The evidence that radon causes lung cancer comes from studies in people and studies done in the lab.", in www.cancer.org

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ATENÇÃO AO RADÃO


"Alina Louro lidera um estudo sobre a concentração de gás radão nas habitações e os efeitos que poderá ter para a saúde humana, que está a ser realizado na região da Guarda.
Segundo a responsável, que é docente na Escola Secundária Afonso de Albuquerque (ESAA), naquela cidade, o radão é um gás radioactivo presente nos solos, no ar e na água e, quando em concentrações elevadas, pode constituir-se em factor de risco ambiental.
Explicou que “o radão é um gás natural (…), é um gás nobre e existe no ar” que “está associado aos granitos e à existência de rochas de origem granítica, que são ricas em cristais de urânio e outros átomos que são abundantes neste tipo de rocha”.
“Nós inalamos radão quando respiramos”, referiu, indicando que a Organização Mundial de Saúde “aponta o radão como a segunda causa de morte por neoplasia pulmonar”.
Contudo, observou que importa saber “quais são as concentrações para que isso possa acontecer, para ele poder condicionar um problema desse tipo”, contributo que poderá ser dado pelo estudo em curso na Guarda, que envolve a Universidade da Beira Interior, o Laboratório de Radioactividade Natural (Coimbra), o Hospital e a Câmara da Guarda.
O radão é um gás radioactivo que não tem cor, sabor nem cheiro, não reage quimicamente e por isso não é detectável pelos sentidos e após a libertação do solo vai alojar-se no interior das habitações, segundo fonte do projecto.
Com o “Projecto SOS Radão Guarda” os responsáveis pretendem conhecer as concentrações médias de radão nas habitações, elaborar um mapa de risco, conhecer as concentrações nas águas e poços, minas e furos e solucionar problemas em habitações.
“Abra portas e janelas sempre que as condições atmosféricas o permitem”, é o repto lançado aos habitantes da região.
Os promotores do projecto referem, num panfleto distribuído à população, que “as concentrações de radão decrescem muito numa habitação ventilada durante cinco horas”.", in  Destak/Lusa

Sunday, 21 October 2012


How your post-code is as important as your genetic-code for childhood obesity




The western world is getting fatter.  It’s hard to ignore the spiralling rates of obesity in developed countries such as the UK and US, where more than one in four of us is now clinically obese.  But perhaps even more alarming is the speed at which our children are becoming dangerously fat.  More than one-third of children in the UK are now either obese or overweight and in the US the rate of childhood obesity has more than tripled in the last 30 years.  Being an obese child doesn’t just mean you might get picked on at school, it also significantly increases your likelihood of developing heart disease, diabetes and having a stroke when you are older.

There is an ongoing discussion among academics as to the exact causes of this very real obesity crisis.  This includes the usual argument of how much nature versus nurture creates childhood obesity.  Now a new study has shown that living in a walkable neighbourhood has an important effect on whether a child is obese or not.

When choosing a new adress, try one where "Green Areas" and "Safe Exercise" parameters has a good score.


------------------------------------------------------------------------

Como a saúde infantil está relacionada tanto com o seu código postal como com o seu código genético


As sociedades ocidentais estão a ficar mais obesas. É dificil ignorar a espiral de crescimento das taxas de obesidade nos paises desenvolvidos como o Reino Unido ou os EUA, onde mais de um quarto da população é considerada clinicamente obesa. Mas mais alarmante é a velocidade à qual as crianças estão a tornar-se perigosamente gordas. Mais de um terço das crianças no Reino Unido são consideradas obesas ou com excesso de peso, e nos EUA a taxa de obesidade infantil mais do que triplicou em 30 anos. Ser uma criança obesa não significa apenas que pode ser gozada na escola, mas também significa um aumento da probabilidade de desenvolver doenças cardiacas, diabetes, e ter um enfarte quando for adulto.

Existe uma discussão entre os académicos sobre as verdadeiras causas desta crise da obesidade. Isto inclui o habitual argumento sobre o papel da natureza e da alimentação no surgimento da obesidade infantil. 

Agora, um novo estudo mostrou que viver num bairro onde é fácil andar a pé e praticar desporto tem um efeito considerável na possibilidade de um criança ser obesa ou não.

Por isso sugerimos que escolha uma zona para viver onde os parâmetros "Áreas Verdes" e "Exercício Seguro" são elevados nalgumas ruas.

 


Friday, 19 October 2012

AQUI PERTO



"Aqui perto" é uma nova funcionalidade que permite em cada rua classificada, ver também quais as ruas das redondezas melhor classificadas em cada parâmetro.

Esta função permite uma melhor análise da zona, das suas valências, tornando a escolha de uma rua para morar numa decisão mais consciente e sustentada.

A nossa análise base ao ser feita rua a rua, levava a que não atribuíssemos relevância ao facto de perto da rua classificada haver por exemplo um parque, ou um local onde é fácil estacionar, ou ruas com mais comércio que a rua analisada.

Desta forma o STREETICS vai mostrar para cada rua, também quais a ruas que têm a classificação mais elevada em cada parâmetro.

No exemplo da imagem, da Avenida de Camilo (Porto), verificamos que o parâmetro "Transportes" tem o valor 12, mas que perto, na Rua Campo de 24 de Agosto, esse valor é 20. Do mesmo modo, ao nível do "Ambiente" o valor é 10, mas na proximidade tem a Rua das Eirinhas com 15 valores neste parâmetro.

Experimente e dê-nos a sua opinião.

Wednesday, 17 October 2012

"A New Vision For Sustainable Urban Housing Combines Technology With Open Spaces

The Canopea project from France is looking to take this trend further by marrying the high technology aspects of sustainability--smart grids, super efficient heating and cooling, and sustainable mobility--with the natural advantages of earthen walls, rooftop gardens, and indoor vegetation.
Canopea’s “nanotower” design (which won Europe’s Solar Decathlon competition), essentially stacks modular small single family homes on floors with plenty of open spaces and vegetation. It tries to combine the efficiency and convenience of urban living with some of lure of leafy suburbs. The nanotowers’ co-housing-style dwellings offer personal sleeping and bathing quarters, with shared cooking, laundry, garden, and recreation spaces. The design maxes out at 10 floors, to keep thing dense yet manageable.
So far, the prototype--just the top housing floor and a common space level have been built--has taken top honors in European competitions. But the Canopea team from the French region of Rhone-Alpes is set to see how far it can take it.
The biggest catch may still be the cost. Like many homes pushing the sustainable envelope, it doesn’t come cheap. Although the team hasn’t released the costs of Canopea’s construction, similar projects such as the Leaf House ran around half a million dollars. A response to these high prices (generally in connection with large nation competitions such as the Department of Energy’s Solar Decathlon) has been a new breed of competitions for sustainable homes the make cost a primary consideration. To wit, the Rocky Mountain Institute is now launching its own solar home competition, to encourage permanent green homes, at affordable prices, in cities around the country. Sustainable houses won’t mean much if only a few people can live in them."
In, www.fastcoexist.com 





Tuesday, 16 October 2012

PRESERVE YOUR NEIGHBORHOOD, VALUE YOUR PROPERTY



One of the components of the value of a property whether an apartment, a house, or any other, is the area in which it is located. Two similar properties at all, may have completely different rates, due only to the area where they are inserted.

If you can not change the area where your home is inserted, at least it's possible to make it more attractive, and thus valuing their property. Unfortunately, most people "resigns" to participate in this task, which is incomprehensible, since it is where they live. Some answers have been studied, and relate this behavior with weak binding to the neighborhood, and expectations not to remain in the same too long. The problem is that expectations do not materialize in most cases, and people end up living in that place decades or sometimes a lifetime.

It is therefore very important, through small individual actions, preserve your neighborhood, help improve its image, improve the quality of life, contribute to those who visit it to have a better opinion about the area. These small actions can be:

- Contribute to the cleanliness of the neighborhood, respecting the periods and rules for placing garbage on the street;

- Sensitize the remaining population to the importance of maintaining the property in good condition, especially in relation to "graffiti", and other advertising that sometimes abounds on the walls;


- Actively participate in meetings of the Council, contributing ideas and exposing problems;

- Use the services the Council offers, especially at the level of cleanliness.

- Preserving green spaces;

- Cooperate with the police in identifying sources of insecurity.

- Contribute for a well regulated parking behavior;

These simple actions that everyone can take daily will help to improve the quality of life in your neighborhood, improve it's image, and increase the value of their properties. Begin right now!


-----------------------------------------------------------------------------
PRESERVE O SEU BAIRRO, VALORIZE O SEU IMÓVEL

Uma das componentes do valor de um imóvel, seja um apartamento, seja uma moradia, ou outro qualquer, corresponde à zona em que está situado. Dois imóveis em tudo semelhantes, podem ter preços completamente diferentes, apenas devido à zona onde estão inseridos.

Se não é possível mudar a zona onde está inserida a sua casa, é pelo menos possível torná-la mais atractiva, e com isso valorizar o seu património. Infelizmente, a maioria das pessoas "demite-se" de participar nesta tarefa, o que sendo incompreensível, visto ser o local onde vivem, tem já algumas respostas face a estudos efectuados, e que relacionam este comportamento com a fraca ligação ao bairro, e a expectativa de não permanecer no mesmo muito tempo. O problema é que as expectativas não se concretizam na maior parte das vezes, e as pessoas acabam por viver naquele local décadas ou por vezes a vida toda.

É pois muito importante, através de pequenas acções individuais, preservar o seu bairro, ajudar a melhorar a sua imagem, melhorar a qualidade de vida, contribuir para que quem o visita tenha uma melhor opinião sobre a zona. Estas pequenas acções podem ser :

- Contribuir para a limpeza do bairro, respeitando os períodos e as regras para colocação de lixo na rua, assim como as regras de utilização de eco-pontos;

- Sensibilizar a restante população para a importância de manter os imóveis em bom estado, especialmente em relação a "grafittis", e demais publicidade que por vezes abunda nas paredes;

- Participar activamente nas sessões da Junta de Freguesia, contribuindo com ideias e expondo problemas;

- Utilizar os serviços que a Câmara disponibiliza, especialmente ao nível da limpeza.

- Preservar os espaços verdes;

- Colaborar com a Policia na identificação de focos de insegurança.

- Contribuir para que o estacionamento esteja bem regulado;

Estas simples acções que cada um pode realizar diariamente, irão contribuir para melhorar a qualidade de vida no seu bairro, melhorar a imagem do mesmo, e aumentar o valor dos seus imóveis. Comece já !

Sunday, 14 October 2012

NEIGHBOURHOOD WATCH - AUSTRALIA


History

Neighbourhood Watch in Victoria was started when it was realised that the Police alone could not control the rising crime rate, in particular burglary and related thefts. The support of the public was sought to help reduce crimes such as burglary and theft which resulted in a pilot area opened in 1983 in Kananook, a suburb of Frankston.
The program has been so successful in preventing crime that there are now 1,300 Neighbourhood Watch areas servicing both city and rural locations and totalling more than 900,000 households. 2.8 million people in Victoria live in Neighbourhood Watch areas which is approximately half the population.

Objectives and Strategies

Objectives

  • Minimise the incidence of preventable crime.
  • Deter criminal activity by increasing the probability of apprehension.
  • Reduce the fear of crime.
  • Increase the reporting of crime and suspicious behaviour.
  • Improve the degree of personal and household security through education.
  • Expand the program's involvement in wider community safety and crime prevention initiatives.

Strategies

  • Operation Identification:
    The systematic marking of valuable household items with their driver's licence number preceded by the letter "V" for Victoria. Items which are marked and can be identified become a much less inviting target for thieves. Smaller items such as jewellery or items which cannot be marked should be photographed alongside a ruler or coin to indicate the size.
  • Keeping residents informed: 
    Providing information of the incidence of crime in their area on a regular basis through newsletters and advising how to effectively identify suspicious people and activity and report same.
  • Increasing residents' awareness and knowledge: 
    Informing residents of practical personal and household security enables them to best secure their homes and increase their personal safety.
  • Sign posting areas: 
    Displaying Neighbourhood Watch signs and material operates as a visible deterrent to criminal activity by identifying a particular area as having active Neighbourhood Watch participants.

Friday, 12 October 2012

"100th biken rental station opens in Bern


Bern is now home to the 100th station of the Swiss bike-sharing scheme PubliBike.

PubliBike is “the first system to allow self-service bicycle rental by the hour on a national scale”, according to PostBus, which with founding partners CFF rail company and Rent a Bike is pushing to expand the scheme launched in summer 2011. The system, say the partners, allows:
“customers to rent a bicycle or e-bike for short distances at any time of day every day
of the week. The first station was put into operation in Lucerne in August 2011 as part of a testing
phase. Additional stations have been added on a continual basis ever since. The denser the network, the more attractive the service. This is why PostBus Switzerland Ltd significantly increased the PubliBike network by integrating the company velopass in April 2012. The acquisition has turned PostBus into the national leader in the self-service bicycle rental market. Customers can access approximately 1,000 bicycles and e-bikes at the 100 stations.”
The group is making an effort to expand rapidly in German-speaking Switzerland, given that the network has a head start in French-speaking and Italian-speaking areas.
At a press conference in Bern Friday, the PubliBike system was explained:
“Use of the PubliBike service is simple. At www.publibike.ch, customers need only to register once and can
then simply turn up at the station terminal of their choice with their PubliBike card. Bicycles can be parked and
secured anywhere along the route by means of an integrated lock on the frame. To return their bicycle,
the user simply pushes it back into the bracket.
“For subscription holders the first half hour’s rental of a regular bicycle is free. Each subsequent hour costs two francs. The rate for e-bike rental is four francs per hour. It will soon be possible to pay for bicycle and e-bike rental by credit card on the spot for a slightly higher tariff. The aim is to offer subscribers uniform access to PubliBike by 2013: one card, one tariff system, one subscription, one invoice, one account, one emergency number.”", GenevaLunch.com 

Thursday, 11 October 2012

QUESTÕES IMPORTANTES NA AQUISIÇÃO DE UMA HABITAÇÃO

A compra de uma habitação obedece normalmente a critérios repartidos por três áreas distintas : Orçamento dos compradores, o imóvel "per sí"e a zona onde está inserido.

Os dois primeiros são naturalmente aqueles que mais "pesam" na decisão, pois correspondem em primeiro lugar à capacidade do comprador na aquisição, limitando o valor a despender, e em segundo, à necessidade em termos pessoais e de espaço, da pessoa ou família que vai habitar o imóvel.

Embora não seja propriamente colocada de lado, a decisão sobre a zona foca-se apenas num conjunto de três critérios que interagem entre si, e que são o gosto pessoal por determinado local, a distância ao local de emprego, e, o orçamento disponível. É a conjugação destes critérios que conduz à decisão sobre o local onde comprar o imóvel. Ou seja, após responder às questões sobre "Que tipo de habitação necessito ?", "Qual o valor que posso despender mensalmente ?", "Qual a zona, no conjunto das que aprecio, na qual posso comprar a habitação de que necessito ?", "Qual a melhor decisão entre a zona onde posso comprar e o acesso da mesma ao local de trabalho ?", o interessado toma uma decisão, que para muitos corresponde ao maior investimento que realiza ao longo da sua vida. Em muitos casos por um período superior a 40 anos.

Dada a enorme importância de que se reveste esta decisão, aconselhamos a que introduza mais alguns critérios de avaliação que poderão ser cruciais no futuro, e que se relacionam com alguns dos parâmetros do STREETICS, nomeadamente :

1. Coeficiente de Localização : Tenha em atenção qual o coeficiente de localização da rua onde pretende comprar o imóvel. Pode obter esta informação no Portal das Finanças (www.portaldasfinancas.gov.pt) e calcular o valor patrimonial do imóvel. Permite-lhe ter uma perspectiva do valor do IMI que terá de pagar anualmente, valor esse que em muitos casos tem um impacto substancial no orçamento familiar.

2. Estacionamento : Logo nos primeiros dias a habitar a nova casa, e caso não possua garagem, e utilize diariamente o seu automóvel, este poderá ser uma nova "dor de cabeça" que lhe irá consumir alguns (muitos) minutos ao final do dia, se escolher uma zona/rua onde seja difícil estacionar. Aconselhamos a consultar a nossa classificação no STREETICS, ou caso a rua ainda não esteja classificada, a deslocar-se à mesma duas a três vezes ao final do dia para avaliar qual a dificuldade ao nível do estacionamento.

3. Áreas Verdes : A presença de elementos verdes numa rua tem impacto a longo prazo ao nível da saúde dos seus habitantes. Mesmo a simples presença de árvores, permite diminuir a poluição e melhorar a qualidade do ar. Torne esta uma preocupação presente na sua decisão.

4. Ambiente : O bom, ou mau, ambiente de uma zona/rua é algo que tem impacto directo na sua qualidade de vida e no seu bem estar. Não é seguramente um prazer viver numa rua permanentemente suja, com as paredes cheias de grafitis, onde ao final do dia ou durante a noite impera o barulho. Tal como no Estacionamento, pode consultar a nossa avaliação em relação a este parâmetro, ou analisar no próprio local. Não deve sob forma alguma descurar este factor, como garantia de bem estar pessoal e da própria valorização do seu imóvel.

5. Risco de Inundação e Risco Sísmico : Estes parâmetros são talvez os mais esquecidos aquando da compra de um imóvel. O problema advém da sua, felizmente, raridade em Portugal. No entanto as probabilidades de ocorrerem existem, e não é necessário referir qual o impacto que os mesmos podem ter em termos pessoais e materiais. Consulte o STREETICS, ou fontes das Protecção Civil, e certifique-se sobre o risco da zona.

O nosso conselho vai o sentido de não tomar uma decisão acerca da compra de um imóvel, sem ter em conta estes 5 aspectos. Não só por questões relacionadas com a sua qualidade de vida, mas também relacionadas com a valorização/desvalorização do seu imóvel.

Infelizmente, os últimos anos viram muitas famílias a perderem a capacidade de cumprir com os seus compromissos hipotecários, vendo-se na necessidade de colocar à venda a sua casa. Com o comportamento do mercado nos anos recentes, muitas das habitações adquiridas não encontram hoje comprador, quer pelo excesso de oferta em relação à procura, quer pela não valorização das mesmas em determinadas zonas do pais. Este facto criou o fenómeno da "entrega da casa ao Banco", com os problemas que isso acarreta.

É pois importante questionar-se sobre a "facilidade em vender o imóvel em caso de necessidade", sobre se "o ambiente na zona a torna atractiva e gera procura", e, se "esta zona tem tendência a valorizar em termos imobiliários".

Nesse sentido a análise que propomos permite-lhe tomar uma melhor decisão acerca da compra de habitação, e reduzir os riscos inerentes à mesma, nomeadamente se a compra for efectuada numa zona onde o escoamento dos imóveis para venda é realizado a um ritmo mais elevado.

Wednesday, 10 October 2012

"MAIS DE MEIO MILHÃO DE IMÓVEIS TÊM ISENÇÃO DE IMI


A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) revelou hoje que há 565.534 imóveis urbanos com isenção permanente de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI).
Depois de feita a reavaliação dos imóveis urbanos em curso, Portugal será, segundo aquela associação, o segundo país da União Europeia que mais tributa o património imobiliário, a seguir a Dinamarca.
Luis Lima, presidente da APEMIP, disse hoje durante a apresentação pública de um estudo sobre o mercado imobiliário e a tributação do património, que se irá bater pela manutenção da cláusula de salvaguarda. Essa cláusula, que o Governo anunciou que iria abolir, prevê que os aumentos de IMI resultantes da reavaliação de imóveis não seja superior a 75 euros até 2015.
O presidente da APEMIP lembrou ainda que o impacto do aumento do IMI chegará rapidamente à banca, que tem atualmente 114 mil milhões de euros em crédito hipotecário. Ou seja, o próprio sistema bancário poderá ser fortemente abalado pelo aumento do IMI que, segundo, Luis Lima, irá depreciar fortemente o valor dos ativos imobiliários.", in EXPRESSO


A importância que atribuímos a este parâmetro é devida ao peso que ele pode ter no orçamento de uma família. Com o aumento da carga fiscal, é expectável que muitos proprietários não tenham recursos para pagar o IMI. 

É pois muito importante, no momento de escolher uma nova casa, assegurar-se qual o valor do Coeficiente de Localização do imóvel. Quanto mais elevado, maior será o Imposto. Nesse sentido, atribuímos uma pontuação a cada rua que reflecte exactamente o valor do Coeficiente. Quanto mais elevado este for, menor será a pontuação atribuída à rua. 

Sunday, 7 October 2012

ZURICH' MOBILITY STRATEGY

Modal Split ( Inner City Traffic) : 

- Cars : 22 %
- Pedestrians : 44 %
- Public Transpor : 27 %
- Bicycles : 7 %

The New Zurich Mobility Policy (since 2001)

Sustainable Urban Mobility

Solutions which 

- make Zurich a prosperous city with a high quality of life
- promote quality of urban space
- promote a city-fair choice of means of transport
- enable new urban developments
- repair urban damages
- reduce negative traffic impacts

More : http://www.moma.biz/files/prae_MobStrat_MoMaBIZ_100929_MBY.pdf

Saturday, 6 October 2012



CANADA'S BEST PLACES TO LIVE 2012

"(...) Ottawa’s cultural offerings and family-friendly lifestyle were just some of the factors that helped the city take the No. 1 position inMoneySense’s annual Best Places to Live ranking of Canadian cities for the third year in a row. While Ottawa doesn’t get the top score in any specific category, it gets above-average marks in many of the key economic and quality-of-life measures that we use to compile our list. 

The city’s residents enjoy high household and discretionary incomes, thanks to the large number of well-paying government jobs, which insulate it from some of the vagaries of the economy. At the same time, the average home price in Ottawa proper ($335,300) isn’t as high as in Canada’s biggest centres, meaning families can comfortably afford decent homes. Ottawa has a low crime rate that is the envy of many other Canadian cities, and it gets a good score for having a healthy rate of population growth. (...)

 I, for one, adore my adopted city of Toronto. I have fabulous neighbours and a wonderful little shopping street nearby with coffee shops, bookstores and pubs. Great theatre and concerts are a short subway ride away, and when my kids were growing up, they were always able to walk to school safely. Admittedly, the traffic in the city can strike a sour note, but since I work in my basement, that’s not a big problem for me.

Halifax also enjoyed a strong economic performance this year that helped propel it up the list, from 21 to four. The move was due to an improved unemployment rate (5.5%) following growth in the transportation, education and service sectors. The city also gets high marks for the number of people who bicycle or walk to work, its affordable housing, decent public transit system, high household income, culture, and the number of healthcare professionals and doctors.

(...) Vancouver gets great scores for the number of people who are able to walk or ride their bikes to work, as well as the temperature, culture and even pollution levels. But, unless you’re filthy rich, you’ll likely have to consider Vancouver’s increasingly unaffordable real estate as a big negative when you’re deciding where you want to live." , MONEY SENSE

---------------------------------------------------------------------------------------------

CANADA'S BEST PLACES TO LIVE 2012

" (...) As ofertas culturais de Ottawa e o estilo de vida familiar foram apenas alguns dos fatores que ajudaram a cidade a obter a primeira posição no Ranking anual das melhores cidades canadianas para viver, da revista Money Sense, pelo terceiro ano consecutivo. Apesar de Ottawa não ter obtido a pontuação máxima em qualquer categoria específica, fica acima da média em muitas das principais medidas económicas e de qualidade de vida que nós usamos para compilar nossa lista.

Os moradores da cidade desfrutam de elevados rendimentos, graças ao grande número de empregos bem remunerados do governo, o que protege-a das crises económicas. Ao mesmo tempo, o preço médio de uma casa em Ottawa (335.300 dólares) não é tão alto como em outros grandes centros urbanos do Canadá, significando que as famílias podem pagar confortavelmente casas decentes. Ottawa tem uma baixa taxa de criminalidade que é a inveja de muitas outras cidades canadianas, e obtém uma boa pontuação por ter uma dinâmica taxa de crescimento da população.

"Eu, por exemplo, adoro a minha cidade adoptiva de Toronto. Tenho vizinhos fabulosos e uma rua para compras nas proximidades, com cafés, livrarias e bares. Ir ao teatro e a concertos está apenas a uma curta viagem de metro de distância, e quando meus filhos estavam a crescer, eles sempre foram capazes de caminhar até a escola com segurança. É certo que o trânsito na cidade pode atingir uma nota má, mas desde que eu trabalho em casa, que não é um grande problema para mim."

Halifax também teve um forte desempenho económico este ano, que ajudou a impulsioná-la para cima na lista, passando de 21º para quarto lugar. A mudança foi devido a uma melhoria da taxa de desemprego (5,5%), após crescimento nos setores de educação, transporte e serviços. A cidade também recebe notas altas para o número de pessoas que vai de bicicleta ou a pé para o trabalho, para o preço acessível da habitação, para o sistema de trânsito decente, para os rendimentos familiares altos, para a cultura, e para o número de profissionais de saúde e médicos.

(...) Vancouver recebe pontuações grandes devido ao número de pessoas que são capazes de caminhar ou andar de bicicleta para o trabalho, bem como a temperatura, cultura e até mesmo os níveis de poluição. Mas, a menos que você seja rico, é provável que tenha de considerar inacessível o preço das habitações em Vancouver, no momento de decidir onde deseja viver." , MONEY SENSE

Friday, 5 October 2012

STOCKHOLM



"Sweden's capital is a benchmark for eco-city living. (...)

Stockholmers breathe some of Europe's cleanest air, swim in the clear waters of the city centre in summer, cross-country ski in its vast forests in winter and go to work on green buses - 75 per cent of the public transport fleet runs on renewable energy. They can even show off their eco-friendly credentials returning home from a night on the town - 40 per cent of taxis run on electric or hybrid fuel."

MONOCLE, July 2010

----------------------------------------------------------------------------

"A capital da Suécia é uma referência em termos de vida urbana ecológica. (...)

Os habitantes de Estocolmo respiram um dos ares menos poluídos da Europa, no verão nadam nas águas claras da cidade, no inverno esquiam nas vastas florestas, e, vão para o trabalho em autocarros amigos do ambiente - 75 % dos transportes públicos utilizam energias renováveis. Eles podem inclusive mostrar as suas credenciais ecológicas depois de uma saída à noite - 40 % dos táxis são eléctricos ou híbridos."

MONOCLE, Julho de 2010